terça-feira, 26 de junho de 2012

Ansiedade e medo do tratamento odontológico


Existe uma frase atribuída a um personagem  da série de TV Two and a half men  que diz: “... coragem não é a ausência do medo e sim o agir, apesar do medo... “
Inúmeras pessoas possuem um medo latente por assim dizer, dissimulado ou explícito da cadeira do dentista. Claro que não literalmente da cadeira, mas das ações, dos procedimentos que se relacionam à imagem do dentista.
Temos medo da morte, medo do desconhecido, medo da dor, medo da violência, medos sociais de modo geral enfim, o medo é um fenômeno presente em nosso dia a dia, necessário muitas vezes para nossa preservação, que não deve entretanto nos enclausurar e paralisar nossas ações e decisões.
Conceitos
Difícil conceituar ansiedade, pois esta e o medo estão de certo modo associados e tudo parecendo ser somente uma questão de intensidade.
Agregados a estes fenômenos, temos envolvidos sentimentos de tensão, apreensão, nervosismo e preocupação na maioria das vezes.
 Alguns autores citam que cerca de 10% da população adulta experimentam medo extremo (fobia) frente ao tratamento odontológico e como manifestações características evitam parcial ou completamente a visita ao profissional, o que pode levar a problemas na saúde bucal em si e na saúde geral, quer seja do ponto de vista físico, social ou emocional. O resultado disto é um comprometimento da qualidade de vida.
Emoções
A boca, incluindo todas as suas estruturas (dentes, mucosa, língua) é, entre outras coisas, um órgão emocional.
Guardamos em cada milímetro da cavidade oral nossa memória afetiva mais profunda, mais intensa.
Desde a amamentação, primeira manifestação positiva vivenciada, passando pelo prazer da intimidade que cada um de nós experienciou  em um beijo por exemplo, ou na simbologia da necessidade que temos em “morder” como defesa, não devemos desconsiderar o aspecto psicossomático associado.
Tanto profissionais como pacientes quando têm contato com essas informações e se conscientizam disto, dão um grande passo para resolução destes problemas.
Sintomas
Existem os que apresentam quadros de ansiedade, antecipando, “fantasiando” muitas vezes   algo de muito ruim que poderia acontecer.
Medo exagerado, acentuado, que irá sofrer (muita) dor aumenta a sensação subjetiva da mesma.
Podemos ainda citar os fenômenos de “auto-sabotagem”, como : exatamente no dia agendado para ir ao dentista algo acontece - surge um compromisso “inadiável”, o carro quebra, o táxi não passa e assim por diante.
 Alguns sinais e sintomas podem estar presentes tais como aumento da frequência cardíaca, respiração ofegante, sudorese intensa (nas mãos e no corpo), tremores, contrações musculares, aumento da pressão arterial são os mais comuns.
Como resolver o problema?
Estabelecido o diálogo na relação profissional-paciente, abre-se um leque de opções interessantes.
Podemos pensar na parceria com um psicoterapeuta, normalmente seguidor de uma linha comportamental ou cognitiva, mas não necessariamente.
Já há algum tempo têm-se utilizado o processo de analgesia inalatória ou sedação consciente em que o profissional dentista utiliza um aparelho que administra quantidades de óxido nitroso e oxigênio que mantém o paciente acordado, consciente, porém mais relaxado e tranquilo.
O uso de alguma prática integrativa à saúde bucal como Acupuntura, Homeopatia, Hipnose ou Terapia Floral, associadas ou não, são igualmente ótimas opções.
Particularmente tenho obtido sucesso no auxilio a superação destes problemas com o uso associado de Homeopatia e Acupuntura.
Cada técnica acima citada tem sua validade, sua indicação e claro, suas limitações.
 Superando
 O dentista, ciente dos aspectos emocionais envolvidos , deve ser sensível e elegante na abordagem e manipulação das estruturas bucais, delicado e competente para avaliar o indivíduo tecnicamente, porém olhando pelo prisma ético e humanístico  transmitindo a segurança necessária para o paciente.
A pessoa quando consegue vencer uma barreira como esta, superando as atitudes limitadoras, sente-se vitoriosa, aumentando sua autoestima e transferindo esta experiência para outros aspectos de sua vida.

<><> <><> <><> <><> <><>
 “Tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranqüilo”


quinta-feira, 14 de junho de 2012

Dente: Manual do Proprietário



Você já imaginou se cada órgão do nosso corpo viesse com o manual do proprietário? Até poderia vir um manual completo... do corpo todo... Os pais agradeceriam imensamente. “quando chorar consulte item x da página 10”
Sem dúvida seria muito útil, mas como não acontece, vamos brincar um pouco e elaborar um pequeno manual (consulta rápida) do proprietário do dente. Poderia começar assim:
Parabéns! Você acaba de adquirir mais um produto com a marca Deus & Cia®. Nossos fabricantes trabalharam com zelo, dedicação e muito amor para que você pudesse usufruir de todos os benefícios de seu Dente.
 Seu dente é composto, na versão básica, de duas partes: uma exposta na boca, chamada coroa com formatos apropriados para cada função e outra que você não vê, mas muito importante chamada raiz.
Não entraríamos nos detalhes sobre as cores dos dentes, mas um adendo poderia explicar que as matizes variam do branco neve até o marrom claro, passando pelo cinza, que os nuances combinam sempre com seu tom de pele e que os excessivamente brancos nem sempre significam serem mais resistentes, às vezes ,pelo contrário.
A coroa sempre vem acompanhada de uma camada externa (protetora) denominada esmalte com um brilho inigualável (original de fábrica).
A raiz, imersa no osso da mandíbula e da maxila, foi desenvolvida para dar sustentação para o conjunto, equipada com um sistema de amortecedores chamados ligamentos periodontais, que dá  mais conforto e segurança nas suas mastigadas.
  Um equipamento muito útil que acompanha e é parte indispensável do conjunto é a gengiva que, em todas as versões é apresentada na cor rosa claro, com bordos finos e delicados.
 Ao menor vazamento (de sangue, no caso) ou alteração de cor (vermelho) procure uma autorizada (muito óbvia esta:- um bom dentista).
Alerta! Seus dentes foram projetados para mastigações de alimentos exclusivamente. O fabricante e a autorizada não se responsabilizam por mordidas em: tampas de caneta, unhas, abrir garrafa, grampos de cabelo, sacos plásticos ou outros materiais não comestíveis.
Seria importante também alertar que os condutores menores de idade que praticam skate, artes marciais, boxe e outros esportes radicais devem solicitar um protetor bucal extra – item opcional.
Sobre a garantia e manutenção
O formato apropriado já citado, o brilho do esmalte assim como a quantidade dos mesmos na boca, foi desenvolvido desde os tempos mais remotos e devem durar até o fim da vida, se obedecidas as condições básicas de limpeza e higienização.
O fabricante (Deus & Cia®) não se responsabiliza se não forem observadas as condições adequadas, que seguem:
1-    Utilize sempre escovas de cerdas macias, cabeça pequena associadas a cremes dentais (de sabor a sua escolha) o menos abrasivos possíveis, para não arranhar a pintura (oops!) digo o esmalte original.
       2-    Posicione a escova inclinada em 45° em relação a gengiva.

    3-    Faça movimentos curtos de vai e vem, horizontais , “varrendo” para baixo
         para cima depois de alguns segundos.
4-    É imprescindível utilizar fitas ou fios dentais para polir a superfície entre um dente e outro, para evitar corrosão!
5-    O objetivo desta faxina dental é remover da superfície do dente em toda a sua extensão uma substancia denominada Placa Bacteriana ou Bio Filme, que corrói o esmalte (cárie) ou produz sangramento do conjunto (gengivite).
6-    Se a citada Placa Bacteriana  não forem removidos várias vezes ao dia, existe a possibilidade e risco de danificar outros componentes do conjunto, tais como o osso e os ligamentos, o que tira a estabilidade total (periodontite) e haverá PT (em  tempo = Perda Total) do dente.
A manutenção preventiva é condição imprescindível para que não ocorram os problemas citados. Visite seu dentista regularmente!
Helio Sampaio Filho

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Proatividade e Saúde Bucal



Proatividade e Saúde Bucal



A palavra, ou melhor, o conceito proatividade é usado por 10 entre 10 coachs e citado um sem número de vezes em palestras e reuniões de empresas quando o tema é produtividade, liderança, sucesso e gestão pela qualidade, ou seja, considerações de negócios como pano de fundo.

  Segundo a professora Maria Tereza Piacentini, proatividade está relacionado com “algo ou alguém que antecipa futuros problemas, necessidades ou mudanças, que seja capaz de mudar eventos em vez de reagir a eles, fazendo com que as coisas aconteçam; é ser ágil e competente”, que Leila Navarro completa “a pessoa proativa tem senso de prontidão”.

Parece ser o sonho de todo patrão ter um funcionário proativo, que está preparado antevendo problemas e situações e agindo antes ou imediatamente após a instalação do mesmo.
Stephen Covey em seu livro “Os 7 hábitos de pessoas altamente eficazes” coloca a proatividade como o 1º e mais importante hábito e considera que a essência da pessoa proativa seja a capacidade de liderar sua própria vida (interessante isso!)

Assim, o proativo é o oposto do chamado procrastinador. O proativo não empurra com a barriga e sim tenta resolver as coisas o melhor e mais depressa possível.
Mais do que capacidade de tomar uma iniciativa, proatividade significa ter responsabilidade sobre sua própria vida. É criar mudanças e não apenas antecipá-las; deve-se, portanto, ter iniciativa e responsabilidade suficientes para fazer com que as coisas aconteçam.

Vamos agora levar estes conceitos para dentro do contexto da Saúde Bucal, onde podemos criar um novo paradigma em que o profissional de saúde, no caso o cirurgião-dentista trabalha junto com o cliente criando uma Odontologia, por assim dizer, proativa, com vínculo, cumplicidade e eficácia. Juntos antecipamos resultados, mudamos o foco, compartilhando responsabilidades pela saúde da boca, principalmente nos aspectos preventivos.
Está mais do que provado que a saúde bucal, numa visão sistêmica, integrativa, implica e interfere na saúde geral do indivíduo . Proativamente através dos cuidados para com os dentes e genvivas, atenuamos e prevenimos problemas antes que eles se instalem.

Quantas vezes em seu planejamento, no estabelecer das metas, você deixou por último a visita (semestral, anual etc.) ao seu dentista?
Quantas vezes você recebe um comunicado, via e-mail ou carta, lembrando de seu retorno para a consulta de controle e se auto-sabota “esquecendo” de ler ou reage com o “ah, depois eu vejo isso...”?

 Tres atitudes que fazem a diferença:

I)            Pratique sua higiene bucal adequada , sem pressa, usando escova e fio em todos os dentes pelo menos 4X ao dia (faça isso somente nos dentes que você gosta J)

II)         Mastique mais alimentos fibrosos que proporcionam uma auto-limpeza (maçãs, cenouras, laranjas)

III)      Procure um dentista que você confia e que tope a parceria com você por uma saúde bucal melhor.

Saúde!

 Fica o convite à reflexão.

Vamos lá! Agenda na mão e como dizia Lao Tzu: “O maior problema do mundo poderia ter sido resolvido quando era pequeno”.

Lao Tzu

Helio Sampaio Filho


Rua Joaquim Antunes 727, cj 76

011 3816 2909 – 011 7246 6847